[ editar artigo]

A difícil arte de dizer “não”

Exercer o direito e a vontade de dizer “não” nem sempre é tão fácil, principalmente para as mulheres.  Ao longo da vida, elas foram educadas para serem boazinhas, cordatas e valorizarem a satisfação alheia antes da sua própria. Mas o tempo avançou, assim como avançaram as conquistas e seus direitos. Entretanto se libertar de um comportamento, aprendido e reproduzido por anos, requer autoconhecimento, firmeza e uma boa autoestima. Várias são as fantasias  ligadas a esse comportamento aparentemente pouco cordato e a forma como se enfrenta essa situação pode revelar o quanto a mulher caminhou no seu autoconhecimento e no autorizar-se.

Fonte da imagem: Empreendedorismo Rosa

A mulher empreendedora, que a frente do seu negócio precisa muitas vezes  posicionar-se  estabelecendo limites e contrariando interesses, deve aprender a fazer isso sem culpas ou sofrimentos.  Precisa lidar com tais sentimentos para não cair numa armadilha emocional onde, na  busca de aprovação ou reconhecimento, acaba cedendo pela dificuldade de verbalizar tais “nãos”. Engana-se com a ideia de que necessita do aval do outro e acaba sem se autorizar, consequentemente, se boicotando.

Muitos são os medos ligados a dificuldade de dizer um “não”, entre eles a sensação de culpa, o receio de ser vista como uma pessoa  má ou arrogante, o medo da raiva do outro ou ainda a sua própria  necessidade de aprovação. Muitos desses sentimentos podem estar ligados a sua formação e educação, e nem sempre são facilmente percebidos. Quando se diz um “sim” contra a sua vontade, por receio de frustrar o outro,  esbarra-se com  a própria frustração  e  as insatisfações que contaminam as relações.  Os fantasmas criados, por nós, em relação a possível reação do outro,  muitas vezes engessam nossas ações e impedem o avanço dos planos e do nosso próprio negócio.

Quais são os medos na hora de dizer um sonoro “não”?  Quanto maior for a consciência sobre si mesma, maior será a capacidade de dizer sim ou não, dependendo da necessidade.  Quando essa escolha está em consonância com seu desejo, mais facilmente ela será executada.  Por outro lado,  as consequências de não conseguir dizer “não” seriam  uma possível perda do respeito e a falta de clareza nos limites interpessoais e profissionais.  Podem surgir também  ansiedade, raiva, dificuldade de relacionamentos, além do desgaste físico e emocional.

Mas seria possível satisfazer todos os lados? Dificilmente, considerando  que cada pessoa pensa, sente e tem interesses diferentes do seu ou da sua empresa.  A mulher à frente do seu empreendimento precisa saber a hora de escutar seu “feeling” e acreditar no seu potencial. Nem sempre necessita dizer não, mas quando o diz precisa ter a firmeza para tal,  assim como nem sempre precisa da aprovação do outro para avançar em busca do seu sucesso.

AUTORIZE-SE!!!

Vânia Vidal de Oliva é Psicóloga Clínica, Psicanalista com mais de 25 anos de experiência no atendimento de adolescentes, adultos e na orientação familiar. Atua hoje na Clinica Casa do Crescer na cidade de Curitiba. Coordenadora de colunista do Empreendedorismo Rosa.

Empreendedorismo Rosa
Empreendedorismo Rosa
Empreendedorismo Rosa Seguir

Valorizamos a mulher e todo seu universo pessoal e profissional. Inspiramos pessoas a realizarem ações empreendedoras e intraempreendedoras, contribuindo para um mundo mais inovador e produtivo. Acreditamos que toda mulher pode fazer acontecer!

Ler matéria completa
Indicados para você