[ editar artigo]

Ah! Mas eu quero tanto ser voluntária...

Ah! Mas eu quero tanto ser voluntária...

Há quase 3 anos estou a frente de um trabalho voluntário dentro do Grupo Mulheres do Brasil, criado pela empresária e inspiradora mulher, Luiza Trajano apoiado por minha mentora, Sônia Hess.

Lidero o Comitê de Empreendedorismo dentro do Núcleo Mulheres do Brasil Curitiba -Paraná que está sob a liderança, das também empresárias e inspiradoras mulheres, Regina Arns e Margaret Groff .

Nesta caminhada, tenho um pequeno (em tamanho) mas grande (em valor e comprometimento) grupo de mulheres que arregaçaram as mangas e caminham lado a lado nesta liderança.

Ano passado criamos o programa "Elas se empoderam empreendendo". Realizamos duas turmas (em prototipagem) e agora, mais maduras com o que criamos de maneira colaborativa e compartilhada, iniciaremos a caminhada empreendedora com 30 mulheres, que passaram por um processo seletivo para chegarem nesta fase final.  Serão 5 incriveis semanas que passaremos juntas, trilhando uma formação empreendedora, lapidando a mulher interior de cada uma delas, para que a mulher exterior tenha mais autonomia, voz e protagonismo naquilo que deseja realizar.

Ao escrever este post sinto aquela boa emoção de que algo lindo nos espera, afinal neste trabalho realizado voluntariamente o que queremos é empoderar para nos empoderarmos.

Trabalhei 18 anos com o terceiro setor e vi muitas coisas incríveis acontecerem e coisas terríveis também. O bichinho da INCLUSÃO sempre esteve em mim e mesmo anos depois, tendo sido picada pelo bichinho do EMPREENDEDORISMO, sempre compreendi que os dois em algum momento caminhariam juntos. E eis que esse dia chegou, quando aceitei o convite para assumir a liderança deste comitê. 

Ser líder em um trabalho voluntário exige da gente uma dose TRIPLA de empatia, compreensão, sororidade , assertividade, objetividade e paciência (conosco e com o outro). Afinal somos TODAS voluntárias e cabe a mim nortear, orientar, delegar e contar com o tempo que elas dedicam a este trabalho. Para quem vê de fora é tudo lindo e maravilhoso e parece simples, mas exige de todas nós resiliência e muito comprometimento com nosso tempo (o bem mais valioso que temos).

Na construção deste programa, enquanto projeto, encontrei muita gente boa (muita gente não boa também). Algumas mulheres doaram dinheiro para o coffee, outras doaram produtos, outras tantas seus serviços e muitas doaram tudo isso junto e misturado. A cada mão que se estendia,  a cada mulher que se aproximava meu coração vibrava de gratidão.

PORÉM, tenho plena consciência que muitas pessoas não entendem que ser voluntária vai além, afinal tocamos vidas com o firme propósito de estarmos causando um impacto social aonde esta pessoa vive. E por este motivo me inquieto ao ver um projeto que poderia estar em vários lugares,  ainda caminhando lentamente, programa a programa.

O que quero dizer é que não basta ter seu nome inscrito em uma plataforma e dizer que faz parte de um grupo de voluntárias, você precisa estar lá, fazendo a coisa acontecer de alguma forma, para de fato PERTENCER.

A assistente social Denise Pavani Scucuglia  compartilha brilhantemente em um de seus escritos: "Não é uma missão simples atingir este público. Várias são as barreiras que separam o desejo de aprender com a vontade de ensinar." E ela ainda nos dá alguns conceitos,  que acredito serem muito valiosos, para que possamos diferenciar alguns termos e saber exatamente aonde nos enquadramos.  

Seguem:

VOLUNTARIADO - atividade não remunerada, prestada por pessoa física à entidade pública de qualquer natureza, ou à Instituição privada de fins não lucrativos, que tenha objetivos cívicos, culturais, educacionais, científicos, recreativos ou de assistência social, inclusive mutualidade.

FILANTROPIA - Originário do Grego: Philos = Amor, e Antropos = Homem. Relaciona-se ao amor do homem pelo “ser humano”, ao amor pela “humanidade”. No sentido mais amplo, pressupõe o amor ao próximo e a COMPAIXÃO. Compaixão, no sentido de TER PAIXÃO e não como se costuma pensar: ter piedade. Para se ter compaixão é necessário a EMPATIA (colocar-se no lugar do outro).

AGENTE DE MUDANÇA: A ação voluntária deve ser facilitadora do desenvolvimento e do crescimento.

- Se for Assistencialista – cria dependência.
- Se for Autoritária – cria a baixa auto-estima.
- Se for Clientelista – cria uma cultura de adesão.
- Se for Democrática – cria CIDADANIA e AUTONOMIA.

Ela encerra dizendo: "Quando o enfoque para a elaboração de um o Voluntariado e a Filantropia e obtiver um Agente de Mudança convicto de que precisa ter uma ação democrática, estaremos caminhando para a criação de seres humanos “CIDADÃOS e AUTÔNOMOS”.

É nisso que acredito, é nisso que nosso Comitê de Empreendedorismo acredita e é nisso que o Grupo MULHERES do BRASIL acredita.

O titulo deste post é, "Ah! Mas eu quero tanto ser voluntária" e eu lhe digo: Use a técnica do TBC, saia de sua zona de conforto online e coloque as mãos na massa. 

Aproveito este post para agradecer nossos apoiadores, nesta 3° turma, que começa no próximo sábado, dia 27.04. As empresas EBANX (cedendo o local e coffee) e Agilegraf nos apoiando com material gráfico.

EM TEMPO: Dedico este post as "Voluntárias Mãos na Massa" que seguem acreditando comigo. #gratidaotemnome e leva o nome de cada uma de vocês.

 

 

 

 

        

Empreendedorismo Rosa
Lênia Luz
Lênia Luz Seguir

Fundadora do Empreendedorismo Rosa Mentora Inspiradora de Ideias e Conexões

Ler matéria completa
Indicados para você