[ editar artigo]

Conheça e se inspire com Theresa Kachindamoto

Conheça e se inspire com Theresa Kachindamoto

Veja o impacto desta que é chefe suprema do Distrito de Detza, no Malawi, país do sudeste africano.

Theresa Kachindamoto nunca teve a ambição de se tornar chefe. Mas, apesar disso, sua reputação de ser "boa com as pessoas" garantiu-lhe uma eleição inesperada. No final, ela foi informada de que conseguira o emprego “quer goste ou não”.

E assim, essa mulher de bom coração se tornou chefe sênior e imediatamente pôs fim à prática do casamento infantil entre sua comunidade. Tendo sido uma prática cultural amplamente aceita na área, muitos pais já haviam casado com seus filhos em tenra idade, geralmente por razões financeiras.

Kachindamoto estava determinada a se posicionar contra a tradição que levou meninas adolescentes e as tornou esposas e mães muito antes dos 18 anos.

Quando ela visitou a área de Monkey Bay, a chefe se encontrou com meninas de 12 anos que tiveram filhos e maridos.

Para isso, ela respondeu dizendo:

"Eu disse a eles: 'gostem ou não, eu quero que esses casamentos terminem.'"

Kachindamoto usou seu papel para anular mais de 1500 casamentos de crianças, enviando as meninas que se casaram antes de poder concluir seus estudos de volta à escola.

Ela deu um passo ousado para acabar com a pobreza no Malawi, onde uma estatística da ONU de 2017 sugeriu que cerca de 45% das meninas jovens são incapazes de permanecer na escola após a oitava série.

Além disso, ela se opôs ao “kusasa fumbi”, que é o processo de enviar meninas menores de idade para os campos, a fim de treiná-las - em muitos casos meninas de 7 anos - a realizar atos sexuais para agradar seus maridos em potencial.

Kachindamoto ameaçou remover qualquer chefe do poder que permitisse essa prática, mudando as leis que estavam afetando a maneira como as pessoas eram capazes de agir.

A certa altura, ela não teve escolha a não ser demitir quatro chefes em áreas onde o casamento infantil ainda estava acontecendo, além de conseguir que 50 sub-chefes assinassem um acordo abolindo a prática do casamento precoce.

Por conta disso, Theresa recebeu ameaças de morte:

"Eu não ligo, não me importo. Eu disse que seja, podemos conversar, mas essas meninas vão voltar para a escola."

"Sou chefe até morrer", disse ela rindo.

Para uma análise mais aprofundada da luta de Kachinmadoto contra a prática do casamento infantil, assista ao pequeno documentário abaixo:

Fonte: adaptação e tradução livre de Iheartintelligence

Empreendedorismo Rosa
Ler matéria completa
Indicados para você