[ editar artigo]

Empreender e trabalhar fora do Brasil

Empreender e trabalhar fora do Brasil

Tudo começou em Junho do ano passado. Uma oportunidade de fazer as malas e partir para a Europa. Não foi uma decisão fácil, apesar da vontade enorme de conhecer o lado de cá do mundo, haviam diversas questões a serem resolvidas. Depois de alguns atrasos, nos mudamos para Dublin em Setembro. E agora? Onde trabalhar? Como trabalhar?

Não cheguei aqui com emprego garantido, quem veio com o visto de trabalho foi meu marido e para ajudar meu visto como esposa não me permite trabalhar (normal para esses casos). Mas as expectativas são as melhores, já que a Irlanda vem crescendo em diferentes segmentos e é possível que alguma empresa seja seu sponsor e troque seu visto. No meu caso, dei a sorte de ter nacionalidade europeia e pegar meu passaporte, o que me permite trabalhar aqui na Irlanda sem precisar desses vistos específicos.

Foi com a mudança para cá que resolvi assumir completamente o trabalho remoto, faço parte do time do Empreendedorismo Rosa e tenho meus clientes de social media, todos do Brasil. Vontade de empreender e trabalhar por aqui? Com toda certeza, mas nem tudo é tão simples quanto parece.

A primeira coisa que se percebe é sobre o idioma, por mais que você saiba inglês e se comunique bem, você não é nativa. Conhecer as expressões, os hábitos, as questões culturais, enfim, estar de fato ambientada leva um tempo e isso faz diferença quando você trabalha com textos e culturas. Jobs relacionados TI e a design acabaram sendo a primeira opção para mim por conta disso.

Depois vem a barreira do “não conheço ninguém” ou “só conheço brasileiros”. Só conhecer brasileiros não é um problema quando tratamos da vida pessoal, é super válido poder contar com quem passa pelas mesmas experiências que você e que já passou por várias situações por aqui. Mas isso não necessariamente te abre portas como freelancer ou para empregos. O fato de “não conhecço” ninguém é o mais crítico, como você vai conseguir clientes/trabalho sem ninguém para te indicar e sem você trabalhos já realizados no país em que você vive? Quando se está fora, é um pouco mais complicado conquistar a confiança do pessoal.

Se você pretende ir para qualquer outro país e trabalhar como freelancer, meu conselho é, comece isso do Brasil. Mesmo que esteja empregado, já pense em buscar jobs, fazer seu currículo nos moldes locais e montar seu portfólio. Uma opção legal é ter seus trabalhos publicados em algum lugar, como o Issuu e o Youblisher.

Também não se afobe e comece a mandar seu currículo ou procurar clientes estando ainda no Brasil. Você ainda não terá residência e nem um celular do país destino, isso derruba consideravelmente as chances de ter um retorno. Claro que para algumas vagas, como TI, isso é super válido e bem comum de acontecer, mas não são todas as áreas, então a melhor opção é fazer uma boa pesquisa sobre a sua.

Utilizar sites para se firmar como freelancer é bem comum e uma ótima alternativa para conquistar espaço e confiança na região. Alguns sites como UpWork e Freelancer podem te ajudar. Uma das vantagens é que, como freelancer, você pode trabalhar para qualquer país do mundo, então isso pode aumentar suas chances. Alguns sites são pagos, mas geralmente valem o investimento, principalmente porque pode aparecer aquelas oportunidades de contratos mais longos. Mas por favor, não pense que é assim fácil, ok? Que é só abrir um perfil em cada site e “plim”, tudo começa a acontecer. Eu estou em Dublin há 4 meses, tudo bem que não comecei a me expor logo quando cheguei, mas ainda não me mantenho disso.

Outro ponto, que ainda não passei, mas já estou procurando saber. Por mais que você chegue aqui com jobs esporádicos, recebendo pouco e sem emitir recibos, lembre-se que ser freelancer aqui tem as mesmas responsabilidades de um autônomo. Então, vai chegar um momento que você provavelmente terá que abrir uma empresa por aqui.

Ser resiliente e flexível são características importantes quando você se aventura em outro país. Principalmente se a sua intenção é viver apenas como freelancer (ou abrir uma empresa) fora do Brasil.

Fora as questões burocráticas e de trabalho. Uma experiência fora do Brasil te abre a mente de uma forma muito intensa, divertida e tensa (perrengues acontecem galera!). Desde se acostumar com a nova cultura até aprender a viver no frio com o céu predominantemente cinza, tudo é muito intenso. Coisas que você antes não daria a mínima, passam a fazer uma enorme diferença quando você está fora. Ainda tenho muito o que aprender e fazer por aqui, então provavelmente terão outros posts sobre minha vida aqui em Dublin.

 

Em tempo: Que tal fazer parte de uma comunidade online e sair da solidão empreendedora? Acesse nossa Confraria Rosa  

Empreendedorismo Rosa
Taty Verri
Taty Verri Seguir

👩‍💻 Entusiasta da comunicação e tecnologia 🌎 Apaixonada por viagens 📸 Amante da fotografia e da música

Ler matéria completa
Indicados para você