[ editar artigo]

Entenda a Previdência Privada

Fazer um plano de Previdência Privada, também conhecida como Previdência Complementar, é uma atitude bastante sábia, já que o valor pago pela Previdência Social (teto atual de R$ 4.519,00), pode não ser suficiente conforme o padrão de vida de muitos. Lembrando que quanto mais cedo começar, melhor, e você escolhe com que valor irá contribuir mensalmente, quando irá resgatar e como quer receber o resgate, se integral ou parcelado.

Fonte da imagem: Empreendedorismo Rosa

Trata-se de um hábito saudável em que a pessoa vai fazendo suas contribuições mensais ao longo da vida de trabalho e quando atinge a idade prevista no plano, recebe o valor corrigido. Fazer o resgate antecipado resulta em uma alta tributação de imposto de renda, pois o objetivo é estimular a pessoa a não mexer nesse dinheiro até o momento de se aposentar.

Os dois tipos de Previdência Privada são:

  • PGBL  (plano gerador de benefício livre)
  • VGBL (vida gerador de benefício livre)

PGBL

- recomendado para quem faz declaração completa de IR (imposto de renda).
- incide IR na fonte.
- o benefício é que a soma das contribuições pode ser abatida do IR (somente no momento do resgate), em até 12% da renda anual.
- no resgate da aplicação, o investidor terá de pagar IR sobre o total.

VGBL

- recomendado para quem faz declaração simplificada de IR (imposto de renda)  ou Isento.
- não incide IR na fonte.
- adequado para quem já ultrapassou o limite de 12% de dedução de imposto de renda, mas pretende continuar investindo.
- IR gerado no saque da aplicação, é cobrado somente sobre o rendimento.

Independente do plano escolhido, eles são indicados para quem quer diversificar investimentos, pois os planos de Previdência Privada rendem juros das aplicações em fundos especiais (os FICs) que as seguradoras e bancos que administram esses planos, fazem com os recursos dos contribuintes.

Por não serem tributados durante o período de aplicação, ambos os planos podem ter rendimentos maiores que fundos convencionais, lembrando que alguns pontos devem ser cuidadosamente observados:

  • o ideal para a taxa de carregamento (média de 3%), que normalmente é cobrada no início das contribuições, é que ela incida no momento do resgate.
  • a taxa de administração não pode ser maior que 1%, para não comprometer a rentabilidade.
  • em resgate de curto prazo, a tributação é maior e decresce para o longo prazo.

Um brinde ao seu futuro!

$uce$$o!!

Elaine Mello é Nutricionista graduada pela PUC Campinas (1995); Especialização em Nutrição Clínica Preventiva pela UNIMEP; Consultora em Gestão de Negócios certificada pela TMH – Thompson Management Horizons do Brasil; Consultora em Comércio Exterior certificada pela AEXPORT; Trader no mercado de ações, índices futuros e opções ; Certificação avançada em ‘Sistemas de Operação e Análise Estatística’ pela OperAção; Agente autônoma de investimentos credenciada pela Comissão de Valores Mobiliários; Sócia-diretora da Pyxis Academia de Investimentos; Idealizadora do projeto “Bolsa e Batom – A vez da Mulher Investidora”; Instrutora de Coaching para iniciantes em Bolsa de Valores; Ministrante de palestras, cursos e workshops sobre Inteligência Financeira e Mercado de Capitais.

Empreendedorismo Rosa
Empreendedorismo Rosa
Empreendedorismo Rosa Seguir

Valorizamos a mulher e todo seu universo pessoal e profissional. Inspiramos pessoas a realizarem ações empreendedoras e intraempreendedoras, contribuindo para um mundo mais inovador e produtivo. Acreditamos que toda mulher pode fazer acontecer!

Ler matéria completa
Indicados para você