[ editar artigo]

Fez um ano e começou a andar

Eu me lembro bem do primeiro ano da minha primeira filha, a Bela. Mãe estreante sempre fica mais apreensiva se perguntando se está fazendo do jeito certo, se a temporada de cólica vai durar para sempre, se vai ser uma boa mãe... Costumo dizer para minhas amigas e minhas leitoras no It Mãe que o primeiro ano do primeiro filho demora mais para passar e que, depois dessa fase, tudo parece que se encaixa. Normalmente, é por volta de 1 ano que o bebê começa a andar. E você começa a ver sua cria ir, aos poucos, tomando seu espaço no mundo. Sente que as coisas começam a engrenar. A gente também se sente mais apropriada da condição de mãe, com uma pequena, porém importante, bagagem acumulada em 12 meses intensos de amor e dedicação.

Fonte de Imagem: Empreendedorismo Rosa

Lembro também muito bem de quando nasceu o It Mãe, meu terceiro filho, o caçula da família. Foi no dia 29 de junho de 2012. Gestei por 10 meses a ideia de criar um site para as mães modernas, que trabalham, educam os filhos, cuidam da casa e ainda querem sucesso, diversão e oito horas de sono. E então meu microempreendimento deu as caras no mundo virtual sob o signo de câncer. Sempre me diziam que o primeiro ano de um novo negócio é o mais difícil. Sempre me diziam que eu precisava esperar um ano para começar a ver resultado. Não entendia bem o porquê de sempre baterem na tecla dos 365 dias. Como empreendedora estreante, fiquei cheia de dúvidas e angústias. Será que estava sendo uma boa mãe para o meu negocinho? Se como mãe busquei conselhos e troquei ideias com outras mães mais experientes, como empreendedora novata, fui falar com muita gente interessante e disposta a me orientar, incentivar, direcionar. Não por acaso, acabei parando aqui no ER! Acionei também o meu feeling - ele me ajudou (e ajuda) com meus filhos e olha que tem me ajudado bastante nessa minha nova vida empreendedora.

Então, meu negocinho fez um ano e... começou a andar. Não sei ao certo explicar o que fez com que ele parasse de engatinhar e começasse a dar os primeiros passos. Mas vejo que valeu a pena segurar as pontas nesse primeiro ano. Acreditar e ir fazendo meu trabalho, tateando aqui e ali, errando e aprendendo. Assim como fiz quando comecei a ser mãe.

Ele, claro, precisa agora de atenção redobrada, porque não basta saber andar. Precisa ir para a direção certa. Ou tropeça, cai, se machuca, vai parar no hospital. Nem pensar! Mas sinto que já passei de fase e tenho mais uma vez aquele orgulho gostoso de ver o resultado de dedicação, de superação diante dos perrengues. Hoje, até me arrisco a aconselhar quem está estreando na vida empreendedora. Vai em frente e não desista antes do primeiro ano. Talvez você não saiba direito no que seu projeto vai dar, mas tenha certeza de que com amor e dedicação, ele vai longe. Assim como nossos filhos.

Daniela Folloni é jornalista, especialista em comportamento feminino. Trabalhou nas revistas Vogue, Casa Vogue, Nova Cosmopolitan, Claudia e Claudia Bebê. É criadora e diretora de conteúdo do site It Mãe, palestrante e colunista da seção Mães e Trabalho da revista Crescer. Daniela também é mãe de Isabela, 5 anos, e Felipe, 3 anos.

Empreendedorismo Rosa
Empreendedorismo Rosa
Empreendedorismo Rosa Seguir

Valorizamos a mulher e todo seu universo pessoal e profissional. Inspiramos pessoas a realizarem ações empreendedoras e intraempreendedoras, contribuindo para um mundo mais inovador e produtivo. Acreditamos que toda mulher pode fazer acontecer!

Ler matéria completa
Indicados para você